O que é Web 2.0? (Conceito básico)

     O termo Web 2.0 está associado a aplicações WEB onde o objetivo principal é facilitar os seguintes aspectos: Compartilhamento de informações de maneira interativa, interoperabilidade, desenvolvimento com foco no usuário e colaboração na World Wide Web (www).

Um site baseado no conceito Web 2.0 proporciona que o usuário interaja com outros usuários ou mesmo altere o conteúdo deste site, diferente dos sites da geração Web 1.0, onde o conteúdo era – ou é – estático, ou seja, o usuário apenas tinha acesso para ler as informações, sem nenhum outro tipo de recurso adicional.

Alguns exemplos de sites Web 2.0 são as redes sociais, comunidades, wikis, blogs, sites que compartilham vídeo entre outros vários tipos de aplicações – como as de colaboração – que proporcionam tal interatividade.

O termo Web 2.0 (2004) está associado com Tim O’Reilly, que utilizou pela primeira vez este termo – e também o conceito – no evento O’Reilly Media Web 2.0 conference in 2004.

Clique AQUI para ver outra publicação sobre Web 2.0 em meu BLOG: https://antonioricardo.org/2010/09/29/o-que-e-web-2-0/
Neste artigo abordo com mais detalhes técnicos e exemplificando com cenários e diagramas. Confira!

Um abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Publicidade

Um vídeo divertido para quem quer entender Wikis

Venho falando bastante a respeito dos Wikis (será que estou exagerando?!)… Neste link http://www.youtube.com/watch?v=-dnL00TdmLY você encontra uma apresentação (em inglês) bem humorada e divertida que lhe ajudará a entender como os Wikis funcionam.

Se preferir, assista aqui mesmo!!!

 Um abraço!!!
Antonio Ricardo Gonçalves

Mantenha a “Memória Institucional” através da Colaboração na Web

Através da utilização do conceito de colaboração (na web 2.0) é possível manter a “memória institucional” de uma nova maneira. Tradicionalmente esta “memória institucional” era difundida e mantida através do contato direto de profissionais mais experientes com profissionais com menor experiência.

O que significam os termos Colaboração na Web e Memória Institucional?

Colaboração na Web (recapitulando): O termo colaboração na web, ou “Web collaboration” em inglês, refere-se a capacidade de compartilhar informações e conhecimentos de maneira organizada e gerenciada, através de regras e processos pré-definidos, em busca de um objetivo também pré-definido por uma entidade (Empresa, Pessoa, Grupo de Pessoas etc). Para que este(s) objetivo(s) sejam alcançados, são utilizados softwares próprios para este fim.

Memória Institucional: Conjunto de conhecimentos, experiências e partes da cultura de uma instituição mantidas por seus colaboradores, equipes etc. ao longo do tempo.

     Com a adoção de ferramentas de colaboração (web 2.0) este exercício de preservação da ideologia e memória institucionais das organizações passou a ser uma atividade não tão complexa, pois, utilizando-se de recursos como sites Wiki, Blogs entre outros, podemos compartilhar e armazenar ao longo do tempo – manter – informações relevantes para a cultura da empresa, que podem ser compostas, por exemplo, pela visão e missão, opiniões de seus fundadores / diretores, dentre inúmeros tipos de informações. Algo que, até poucos anos atrás era transmitido praticamente através apenas dos contatos pessoais / profissionais.

     Sendo assim… Pense no assunto… Renove sua forma de pensar… E de compartilhar seus conhecimentos!

Um abraço!
Antonio Ricardo Gonçalves

CIO – Redes sociais: como utilizar as ferramentas para gerenciar equipes

      Recomendo a leitura da matéria “Redes sociais: como utilizar as ferramentas para gerenciar equipes”, disponibilizada no site da revista eletrônica CIO.

     A matéria cita algumas atitudes bem interessantes com objetivos de aumentar a produtividade e reter talentos.

     Boa leitura!
     http://cio.uol.com.br/gestao/2010/01/07/redes-sociais-como-utilizar-as-ferramentas-para-gerenciar-equipes/

Um abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Colaboração e Redes Sociais para indústria fonográfica

Que o mercado fonográfico mundial balançou após a era P2P não é novidade e o mau-humor deste mercado e dos músicos só vem aumentando com o passar dos meses, mas, por que não parar com tanta choradeira e tomar uma atitude? Virar o jogo, e voltar a garantir um bom faturamento para empresas e artistas, pode ser viável através de soluções baseadas em colaboração na web combinadas com redes sociais.

Imagine aquele seu artista ou banda favorita… Agora pense no seguinte: Um portal Web (ou uma App para dispositivos móveis) onde seja possível acessar a biografia, seguir seu artista (como no Twitter), ter acesso a agenda e todas as informações de turnês (vídeos, fotos, pôsteres etc.), participarem de comunidades relacionadas à banda entre várias outras possibilidades. Além de todos estes recursos – muita calma… Não esqueci o principal – você ter acesso a discografia, videografia, ensaios, shows exclusivos. Seria bem interessante, concorda???!!!

Então, estas idéias não fazem parte de ficção científica. Com o que temos hoje de recursos e soluções para criação de sites colaborativos e redes sociais, esta idéia é totalmente possível de ser colocada em prática.

E isto custaria muito caro? Com certeza não. Seria um ótimo negócio tanto para quem quer divulgar tanto quanto para quem quer ter acesso a este tipo de conteúdo, pois, neste modelo é possível liberar o conteúdo direcionado, por exemplo, por tipo de cadastro, ou seja, você poderia ter vários níveis de acessos onde os básicos seriam gratuitos e fossem evoluindo de acordo com valores pré-estabelecidos, até chegar a acessos Vips (Como ocorre num show onde você tem várias opções de acordo com seu bolso). Além disso, a estrutura pode crescer de acordo com as suas possibilidades. Você começa com uma estrutura enxuta, caso não possua recursos, e cresce de acordo com suas possibilidades. Este tipo de estrutura – de redes sociais e colaboração – é flexível para crescer ou diminuir de acordo com suas necessidades ou possibilidades. Para tal, é preciso trabalhar com uma boa equipe multidisciplinar para a criação e manutenção de seu produto.

É bem provável que uma solução como esta seja um bom caminho para diminuir a pirataria nas redes P2P – e através dos camelôs – e disponibilizar o trabalho dos artistas com preços mais viáveis do que os atuais preços de CDs e DVDs. Isto não signficaria acabar com a forma atual de reprodução em CDs e DVDs, pois, estamos bem longe disso ainda, mas, poderia ser uma maneira alternativa de retomar esse mercado.

Um grande abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Dois caminhos para redes sociais corporativas em 2010

            Muito temos falado – e ouvido – nos últimos meses na expansão das redes sociais corporativas em 2010. Aproveitando a onda, vamos entender um pouquinho a respeito da principal bifurcação que podemos encontrar quando trabalhamos com as redes sociais corporativas.

            O primeiro caminho que podemos tomar é a utilização das redes sociais corporativas internamente, ou seja, como ferramenta de auxílio a integração interna entre colaboradores e departamentos, em objetivos de disseminação de cultura da empresa através de um departamento como o RH, parceiros de negócios entre outros infinitos objetivos. Lembre-se que – como já comentado em postagens anteriores – a rede social de sua empresa deverá ser moldada de acordo com as características (perfil, cultura etc.) de cada empresa ou departamentos envolvidos.

            Outra maneira é ter uma rede social personalizada na Internet com o objetivo de divulgar seus produtos ou serviços, sua marca entre outras informações que você acredite agregar valor a empresa. Neste tipo de rede é possível manter um contato mais próximo com consumidores (ou potenciais consumidores) e desenvolver de maneira mais eficiente e eficaz seus produtos e serviços, através de opiniões externas e troca de experiências com os participantes de sua rede. Neste caso, principalmente, esteja preparado e aberto para escutar as críticas e planeje muito bem um canal para atender aos clientes não satisfeitos, pois, em minha opinião, pior do que não ouvir os clientes é criar um canal de comunicação (neste caso uma rede social) e não saber como tratar as críticas, transparecendo a imagem de descaso e/ou incompetência.

            Sendo assim, se você não sabe por onde começar procure entender os caminhos e criar oportunidades em cada um deles. Com certeza esses caminhos irão se encontrar futuramente – talvez ainda na fase de planejamento -, porém, você já terá criado estratégias para atender suas necessidades internas e externas e conseguirá tratar as convergências em suas redes sociais de forma objetiva.

Um abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Redes sociais tupiniquins: Ótimas idéias contribuindo com a cultura nacional

               Começo 2010 com o objetivo de auxiliar na divulgação de iniciativas de brasileiros no desenvolvimento de redes sociais segmentadas. Hoje apresento duas redes que contribuem diretamente com a cultura e o conhecimento, fornecendo meios para que os interessados na leitura possam se encontrar e trocar idéias, experiência e,é claro, livros.

                Proporcionando o encontro de leitores de todos os cantos do país, as redes Skoob e O Livreiro são excelentes exemplos de iniciativas no mercado nacional. Os internautas cadastrados nestas redes contam com serviços como uma ESTANTE VIRTUAL, onde podem cadastrar seus livros de interesse, fornecendo suas opiniões pessoais – resenhas e notas  – e  disponibilizar tais informações aos demais cadastrados na rede. Também existem, nestas duas redes, vários outros recursos que considero vitais nas redes sociais, que são a troca de mensagens, a possibilidade de seguir e, por exemplo, saber o que os demais estão lendo naquele momento, entre outras funcionalidades.

                Gostaria de convidar a todos que conhecem iniciativas nacionais interessantes como esta a enviarem informações através deste blog para que possamos divulgar aqui.

Estes são os sites(Divirtam-se):

Skoob:  www.skoob.com.br
O Livreiro: www.olivreiro.com.br

Um EXCELENTE 2010,
com muita inovação e crescimento a todos!!!

Um abraço!
Antonio Ricardo Gonçalves

Yelp: Um excelente exemplo de colaboração e rede social

     O Yelp é um site destinado a avaliar serviços e produtos (Até aí outros sites fazem o mesmo.) O que considero diferencial é a característica de unir perfeitamente os recursos de colaboração com uma rede social muito bem elaborada.

     Além das análises e opiniões (o básico), existem outros recursos diferenciados integrados ao serviço, como troca de mensagens (offline) e bate-papo.

     Este é um local excelente – se você está disposto a aprender ou desenvolver seus conhecimentos a respeito das redes sociais e colaboração – para navegar algumas horas por semana. Bom… Neste caso, melhor do que ficar lendo o post, é acessar. Clique AQUI!

OBS.: Como este serviço vem se destacando, muita gente GRANDE está interessada. O Google já fez uma oferta oficial mas, até o momento da publicação deste post, tal oferta (500 milhões de dólares! uuuufa…) não havia agradado os atuais proprietários do site. Vamos ver como serão os próximos episódios..!

Grande Abraço!
Antonio Ricardo Gonçalves

Colaboração + Grupos de Trabalho + Projetos = Resultados

     Alguns dos maiores beneficiados com as Redes Sociais Corporativas são os responsáveis por projetos, sejam eles coordenadores, gerentes ou patrocinadores.

     A partir de sistemas web desenvolvidos para tal finalidade, tornou-se possível gerenciar projetos de maneira mais eficiente e eficaz, através de soluções que disponibilizam controle de tarefas, custos, prazos, recursos humanos entre outras dezenas de possibilidades. É possível acompanhar qualquer um dos envolvidos em projetos, independentemente de localização geográfica, função (seja o envolvido, um gestor de departamento ou um técnico de um prestador de serviços).

     Utilizando como exemplo prático o Project Server / EPM 2007 da Microsoft, a partir do momento que um colaborador passa a ser um membro de um projeto, ele irá obter acesso a uma área (grupo de trabalho) onde ele poderá compartilhar (fornecendo e recebendo) informações, controlar as suas atividades, participar de conferências / reuniões on-line entre outros recursos. Algo bem interessante é a possibilidade deste colaborador ter acesso a um conjunto de informações de outros projetos que estão ocorrendo e aqueles que já foram finalizados, pois, desta forma ele poderá reutilizar processos, documentos e também conhecimentos previamente utilizados.

Área de Trabalho do EPM 2007

A seguir segue o link para quem deseja conhecer um pouco mais a respeito do EMP 2007. Trata-se de uma demonstração da solução:
http://www.microsoft.com/project/en/us/demo-enterprise-project-management.aspx

Um Abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Colaboração, Aplicativos, Aplicações, Web 2.0…

     Com a absorção gradual do conceito WEB 2.0 (Sugiro este link para quem não conhece o termo Web 2.0: http://pt.wikipedia.org/wiki/Web_2.0) pelas empresas, cada vez mais a Colaboração é viabilizada em nosso dia-a-dia nas corporações.

     Através de produtos e soluções desenvolvidos pelos maiores fornecedores de TI como IBM, Microsoft, SAP, Oracle entre outras empresas, está cada dia mais simples a integração dos sistemas e departamentos de uma empresa, proporcionando que o conceito colaboração seja adotado e difundido.

     Para exemplificar a situação vamos imaginar uma intranet onde cada um dos colaboradores possua uma página pessoal (Podemos utilizar os produtos da linha SharePoint da Microsoft, WebSphere da IBM etc.) com suas informações pessoais, sejam estas informações confidenciais ou compartilhadas com outros colaboradores. Além desta intranet a empresa possui vários outros sistemas onde o usuário faz conexão para suas atividades diárias. (Acredito que neste ponto você já esteja torcendo o nariz e pensando… Lá vem mais um sistema para eu me conectar e mais senhas para decorar..! Não desanime, pois, é exatamente o contrário!)

     Com o cenário acima em mente, podemos, ao invés de fornecer mais um usuário e senha para outro sistema, partirmos na direção inversa, ou seja, iniciarmos um trabalho de convergência das aplicações e suas respectivas autenticações (usuário e senha).

     Um ótimo exemplo prático para aplicarmos na situação acima é a consulta ao demonstrativo de pagamento (contracheque) onde, ao invés da necessidade de conexão ao sistema do RH para consultar seu extrato, é possível que, por meio da integração dos sistemas utilizando-se o conceito de Web 2.0, sua consulta esteja disponível diretamente no seu espaço pessoal na intranet, sem a necessidade de efetuar “logon” em diferentes sistemas, com diferentes usuários e senhas.

     O exemplo acima tem o objetivo de demonstrar a relação entre a Web 2.0 e a Colaboração, pois, através de novos meios e sistemas desenvolvidos na Web 2.0, a colaboração nas empresas passou a ser uma realidade e não apenas teoria.

COLABORE COM O BLOG E PARTICIPE DA PESQUISA ABAIXO:

Grande abraço e
Um Feliz 2010!!!
Antonio Ricardo Gonçalves