O que é SaaS, IaaS e PaaS em Cloud Computing? (Conceitos básicos)

Hoje vou tratar objetivamente e com abordagem simples a respeito destas três siglas relacionadas a Computação em Nuvem (Cloud Computing em inglês), que, apesar de não se tratarem de algo tão novo assim, causam dúvidas em quem não tem muito contato com conceitos de tecnologia da informação.

SaaS – Software as a Service (Software como Serviço):
É um modelo onde a aquisição e/ou utilização de um software não está relacionado a compra de licenças, ou seja, você utiliza algum software e paga por sua utilização. Como exemplo, para fácil compreensão, cito o Skype da Microsoft. O Skype é um software de comunicação que permite vários tipos de utilização, que pode ser a simples troca de mensagens até uma videoconferência em grupo. Para utilizar o Skype você não paga nenhum tipo de licença, e é tarifado (ou cobrado) de acordo com os serviços que utiliza. Por exemplo, se você utiliza apenas o recurso de videoconferência em grupo, pode contratar apenas este recurso, porém, é possível combinar vários recursos oferecidos adaptáveis a sua necessidade. É um modelo flexível, que lhe permite controlar o que você necessita, pagando apenas pelo que utiliza em determinado período ou situação pontual. Resumidamente, você paga o serviço e não o produto. (Pesquise também o Lync Server e o Webex)

IaaS – Infrastructure as a Service (Infraestrutura como Serviço):
De maneira análoga a anterior, neste modelo você contrata sua infraestrutura como serviço, com uma vantagem muito interessante ao modelo tradicional, que é a contratação de servidores virtuais (e outros dispositivos de infraestrutura) ao invés de comprar servidores, roteadores, racks e outras “caixas” de hardware. Aqui você é tarifado por alguns fatores, como o número de servidores virtuais, quantidade de dados trafegados, dados armazenados e outros itens, dependendo de como e com quem (fornecedor IaaS) você trabalha. Neste caso, creio que Amazon EC2 e a IBM sejam bons exemplos para quem queira pesquisar mais sobre o assunto. No IaaS, obviamente também é utilizado o modelo pay-per-use, onde a cobrança é baseada no serviço e não em produto, ou seja, se você precisa de 10 servidores para o próximo mês, você contrata a utilização destes servidores por este período determinado e depois, simplesmente cancela a utilização, exatamente como a compra de um serviço de TV a cabo ou um plano de serviço de dados para seu celular.

PaaS – Platform as a Service (Plataforma como Serviço):
Aqui temos um modelo que fica entre o SaaS e IaaS, proporcionando uma plataforma mais robusta e flexível para a utilização de muitos recursos de tecnologia, onde é possível a utilização de softwares de maneira mais flexível, sendo possível desenvolver suas próprias aplicações baseadas em alguma tecnologia (framework, linguagem etc.) e utilizar a infraestrutura necessária, e o mais importante, adequada a aplicação desenvolvida. Pense em uma solução onde você necessite de um software, porém, por alguma limitação de um fornecedor do modelo SaaS, você não conseguirá implementar um determinado recurso personalizado que é fundamental para seu negócio. É aqui que o modelo PaaS é interessante, pois, você pode utilizar a mesma estrutura que você teria “em casa”, porém, utilizando o modelo “as a service”, livrando-se da aquisição de hardware, licenças de software etc. e utilizando esta mesma estrutura como serviço. Para entender este modelo é muito interessante pesquisar sobre o Microsoft Azure. Aliás, o Azure é bem flexível e lhe permite utilizar, além do PaaS, também os modelos SaaS e IaaS.

De uma maneira bem simplista, podemos dizer que os modelos SaaS, IaaS e Paas em Cloud Computing são substitutos para a infraestrutura tradicional com o diferencial do modelo de comercialização, que, ao invés de licenciamento, utiliza um modelo baseado em pagamento por utilização de recursos.

Espero ter contribuído para facilitar o entendimento. E, em caso de dúvidas, mantenha contato.

Sempre lembre-se que qualquer tecnologia deve ser utilizada para apoiar o negócio, então, antes de decidir, analise se é o momento certo para utilizar ou não alguma solução. Também considere sempre a possibilidade de evolução em ondas, ou seja, comece utilizando moderadamente as tecnologias que você não se sente seguro e vá aprendendo e evoluindo. Só não deixe de inovar no apoio aos negócios, senão você ficará para trás e terá que dar um salto bem grande para atualizar sua tecnologia, o que pode causar prejuízo na continuidade dos negócios de sua empresa.

Caso queira saber mais sobre o tema Cloud Computing, acesse este outro post, onde a abordagem é apenas Computação em Nuvem: https://antonioricardo.org/2013/09/18/cloud-computing/

Grande abraço!
Antonio Ricardo

Os avanços da TI e os paradigmas da informação descentralizada

Não é novidade que a TI avançou muito mais na última década – do que em décadas anteriores – em relação a aplicativos e soluções web e, somando a este fato, a maior facilidade de utilização de tais aplicações em dispositivos móveis, vem ocorrendo outro fenômeno que é o crescimento das informações que estamos compartilhando, seja criando fontes de informações, acessando ou ainda compartilhando tais informações através da computação social.

Este cenário nos coloca em uma situação muito interessante por um lado que é a maior facilidade de aprendizado e a criação de novos pequenos e médios negócios, porém de muita dificuldade se olhamos através da ótica das grandes empresas, principalmente as mais conservadoras. E a questão é simples: Qual rumo tomar?

Bom, vamos começar pela questão das empresas que possuíam acesso limitado as soluções competitivas de TI, como, por exemplo, um ERP – que é algo básico para as grandes empresas – ou um sistema de Business Intelligence. Esta  nova forma de utilização do conhecimento humano, através de compartilhamento de informações e soluções através da Internet, permite hoje que uma empresa minúscula e com pouco capital, tenha sua estratégia de TI e suas respectivas soluções de tecnologia da mesma forma que as grandes para apoiar seu negócio, pois,  através da computação em nuvem e de inúmeras soluções baseadas em tecnologia web (principalmente no conceito web 2.0), novas empresas de tecnologias surgiram, fornecendo ao mercado soluções muito boas e com custo baixo. Isto não é mágica nem milagre, mas, trata-se de um grande avanço na descentralização do conhecimento e da capacidade de desenvolvimento de soluções, que até pouco tempo, concentrava-se em grandes “players” de TI, e agora está se consolidando de forma distribuída em toda a parte do planeta. Apenas como exemplo deste novo modelo, cito a Sales Force, que fornece soluções acessíveis a grande parte do mercado de pequenas e médias empresas, mas existem inúmeras soluções que atendem este mercado de maneira eficaz com custo muito atraente.

No outro lado da questão estão as grandes empresas que utilizam soluções tradicionais e possuem suas informações, teoricamente, armazenadas internamente, utilizando soluções dos mesmos grandes “players” de TI que citei anteriormente. Como manter uma estratégia de competitividade com empresas menores, tratar as informações de maneira inteligente e trocar o modelo utilizado por décadas, onde, toda a tecnologia está baseada em uma solução interna e passar a utilizar soluções externas, com custo operacional mais baixo, garantindo que este modelo de TI já estabelecido tenha continuidade através desta solução externa aos seus domínios? Pois é! Este é um desafio a ser superado nos próximos anos. Chegar a um modelo mais competitivo de adoção da tecnologia da informação, sem perdas ou prejuízos por conta de não ter mais um controle rígido – ao menos esta sensação de controle – de suas informações.

Adicionamos a esta bagunça, questões como barreiras comerciais sendo quebradas, a inércia das grandes empresas (que em sua maioria são ultraconservadoras), gente com ideias inovadoras, milhares de startups de TI surgindo pelo mundo afora e outras centenas de milhares de soluções, está pronta a confusão!

Então, a única coisa que nos resta é pensar… Como podemos utilizar de maneira inteligente, eficiente, eficaz e sustentável, este novo modelo que está surgindo e continuarmos a transformar problemas e ideias em soluções!

Um grande abraço!
Antonio Ricardo

Desejo a todos um Feliz 2013…

Hoje se encerra mais um ano de atividades deste blog…
Aqueles que tem o hábito de acessar este espaço tem percebido que algumas mudanças estão ocorrendo no lay-out e em algumas funcionalidades, pois, estou aproveitando o período de menor acesso para renovar o visual e, principalmente, adicionar funcionalidades e deixar o blog mais agradável na navegação.
Também estou estudando alterações nos conteúdos que estão por vir, porque, no meu ponto de vista, alguns assuntos já foram abordados de forma bem detalhada e não pretendo tornar as informações repetitivas. Provavelmente vou ampliar e diversificar o conteúdo com abordagens sobre soluções inovadoras baseadas em cloud computing e trabalhar em assuntos que agregam mais valor ao que já temos publicado aqui no blog.
Ainda não consegui definir quanto tempo vou ter para me dedicar as publicações. Como escrever faz parte das minhas necessidades pessoais… Algo que está no meu DNA… Gostaria de poder ter tempo para elaborar muitos artigos, mas isto vai depender de outros projetos que estou desenvolvendo e também são muito interessantes (E, claro, demandam dedicação e tempo). Mas vou deixar para definir estes assuntos entre janeiro e fevereiro.

Por enquanto quero agradecer a todos que tem participado deste projeto e desejar a todos vocês um ANO NOVO rico em realizações pessoais e com muita saúde!

Um excelente ano aos amigos!!!
Antonio Ricardo

Colaboração nas empresas: Está sobrando infraestrutura!

Como um entusiasta e observador da Tecnologia da Informação, percebo que estamos em um período muito interessante para fazer nossas ideias avançarem em relação a soluções de TI, principalmente, em um setor que, aqui no Brasil, sofre pela falta de oferta de boas soluções.  Estou me referindo às comunicações, pois, apesar de cada vez mais a oferta de hardware fazer parte do dia-a-dia corporativo – como smartphones, tablets, ultrabooks e muito mais “brinquedinhos” – a oferta de serviços ainda é muito escassa, ou seja, tem muita gente que está “armado até os dentes” com hardware de última geração, mas com pouco ou quase nenhum conteúdo interessante quando pensamos em soluções de colaboração / comunicação para empresas.

No meu ponto de vista, unir forças dentro dos grandes “players” da tecnologia da informação é fundamental, pois, o que percebo no cotidiano é que muitas empresas – que consomem serviços e produtos de TIC – tem soluções de comunicação e colaboração desconexas, ou seja, muitas vezes, a empresa (cliente) já possui um base instalada com algum tipo de tecnologia ou solução que pode servir de ponto de apoio para a implementação de uma excelente ferramenta de colaboração, porém, por falta de ofertas claras por parte destes grandes “players”, tal empresa/cliente tropeça na implantação de soluções colaborativas – que podem unir desde o compartilhamento simples de arquivos, correio eletrônico até soluções mais robustas envolvendo comunicações unificadas com áudio e vídeo conferência – por não entender que sua infraestrutura atual pode servir de base para implementar ótimas soluções, investindo menos e obtendo resultados muito bons.

Resumindo e sendo bem objetivo: Muitas empresas têm lindos equipamentos em seus datacenters e em seus escritórios, servindo apenas de complemento a sua decoração, pois, estão sendo subutilizados.

Hoje quero deixar uma pergunta simples para você – que paga a conta das ligações telefônicas no final do mês, de todos os escritórios e/ou filiais da empresa – pensar: É necessário ter um aparelho telefônico e um ramal convencional em cada um dos postos de trabalho de seus colaboradores? Pense nisso… E pesquise!

Grande abraço e grandes ideias!!!
Antonio Ricardo Goncalves

SharePoint: Aplicativo ou Plataforma? Resposta: Ambos

Na minha opinião, o que torna o SharePoint 2010 muito interessante é a questão apresentada no título deste artigo, ou seja, ser uma solução com abrangência e possibilidades imensas.

Vou explicar a seguir minha visão sobre o que considero Aplicação SharePoint e Plataforma SharePoint.

1. Aplicação SharePoint: Desta perspectiva, o SharePoint lhe oferece soluções de colaboração prontas para usar, ou seja, você pode instalar o SharePoint 2010 e já configurar para que seja seu site de intranet com todos os recursos de colaboração e computação social que já vem desenvolvidos pela Microsoft. Como exemplo temos os sites de equipes, perfis pessoais para uma rede social, bibliotecas etc.

2. Plataforma SharePoint: Pensando nesta segunda perspectiva, é possível – principalmente através do .NET – desenvolver diversos tipos de soluções utilizando várias combinações da Plataforma SharePoint 2010 com recursos .NET, IIS 7.5, Armazenamento de dados distribuidos e inúmeros recursos que podem ser agregados de acordo com seus requisitos de negócio. Como exemplo, temos sistemas auxiliares na tomada de decisões, que podem, através de dados extraídos em um determinado processo de produção, fornecer informações para que sejam tomadas decisões estratégicas na produção de um produto. Tais informações podem ser apresentadas de inúmeras formas, como gráficos e podem ser acessadas em qualquer local ou dispositivo, já que estamos tratando de um ambiente web. Também podemos utilizar os mesmos dados, para que o próprio sistema determine quais caminhos tomar e apenas informar os profissionais envolvidos no proceso.

Resumidamente podemos definir o SharePoint 2010 como uma solução imensamente flexível e aplicável em qualquer tamanho de empresa e/ou segmento de negócio  e que é possível se expandir ou contrair de acordo com a necessidade da empresa.

Um grande abraço!
Antonio Ricardo Gonçalves

Colaboração + Enterprise 2.0 + Computação Social + ∞ = SharePoint

Olá amigos!

Quem acompanha meu Blog, deve ter percebido que sempre pesquiso várias soluções de  fornecedores  diferentes. E pretendo continuar nesta linha, porém, vou dedicar minhas próximas publicações aos assuntos relacionados ao SharePoint 2010 e suas possibilidades de soluções e arquiteturas.

Decidi dedicar-me ao SharePoint em alguns de meus artigos, pois, possuo muita experiência com soluções da Microsoft, principalmente em Active Directory, ambientes Web e, claro, com o SharePoint. Desta maneira, creio que posso contribuir muito no auxílio em tomada de decisões por empresas e também com a troca de conhecimento com a Comunidade Microsoft.

O que fez direcionar meu foco às publicações sobre SharePoint foi principalmente uma questão que venho pesquisando nos últimos meses: Maturidade da solução,  ou, em outras palavras, o SharePoint é o produto que apresenta maior confiabilidade, pois, é pioneiro no segmento – a Microsoft trabalha no produto a praticamente 20 anos – e possui uma comunidade técnica muito competente, suporte técnico de alto nível fornecido pela Microsoft no mundo todo, além de vários outros detalhes como várias opções interessantes com ‘custo x benefício’ atraente que vou abordar nas próximas publicações.

Por enquanto é isto! Quem quiser sugerir algum tema para publicação ou discussão, fique a vontade para participar.

Um grande abraço!
Antonio Ricardo Gonçalves

SharePoint no comando da colaboração

Continuando a série sobre Colaboração com SharePoint, vou abordar mais alguns pontos que considero um pouco confusos em relação a algumas funcionalidades.

No meu ponto de vista, existe certa dificuldade no entendimento do que é possível criar com o SharePoint, e esta visão destorcida pode ter sido criada a partir do ponto de vista errado de muitos profissionais que abordam o SharePoint como um gerenciador de arquivos com controle de versionamento, que pode substituir Servidores de Arquivos. Esta funcionalidade está disponível, porém não representa 0,1 % do que o SharePoint oferece.

Para facilitar o entendimento, devemos pensar no SharePoint como uma Plataforma para Desenvolvimento de Aplicações Web e que esta solução já vem com algumas aplicações desenvolvidas e prontas para uso, como é o caso da aplicação que permite o compartilhamento de arquivos, conforme citei acima, porém, você pode ir muito, mas muito mais além disto.

Com o SharePoint,você pode integrar vários tipos de sistemas, utilizando as características de computação social / colaboração com sistemas já existentes, sendo possível utilizar estas informações transportadas para o SharePoint de várias maneiras. Você pode ter seu sistema de Business Intelligence (B.I.) com as informações obtidas de outras fontes (Como citei no artigo anterior, você pode unir a Tecnologia da Informação com a Tecnologia Operacional).

Outra característica do SharePoint é a facilidade de integração com outros produtos da Microsoft. É possível, por exemplo, enviar e receber e-mails com o SharePoint integrado ao Exchange Server (Servidor de emails da Microsoft), o que facilita a entrega de um relatório para um parceiro de negócio ou uma área da empresa de forma automatizada. Também é possível integrar o SharePoint ao Office, sendo possível criar fluxos de trabalho, dos mais simples aos mais complexos. E podemos ir bem além…

Concluindo e resumindo estte artigo, o SharePoint é uma plataforma completa para desenvolvimento de soluções web, principalmente quando se necessita funcionalidades de colaboração ou computação social.

A série continua… 😀

Um grande abraço!
Antonio Ricardo Gonçalves

Consolidando e compartilhando informações: Tome melhores decisões

Uma das grandes vantagens de possuir um ambiente online de colaboração é a capacidade de tomar decisões baseadas em informações concretas e ter a chance de discutir, publicar – em suma, colaborar – decisões com equipes geograficamente distribuídas em tempo real – quando necessário – e também possuir histórico das análises feitas para a tomada de uma decisão, mantendo sua base de conhecimento.

Esta capacidade de colaborar já tem um certo tempo de vida, pois, com os sistemas de controle de chamados técnicos, por exemplo, as empresas já vem atuando desta forma faz um bom tempo, porém, o interessante é a evolução para a integração de sistemas de Tecnologia da Operação com a Tecnologia de informação, e isto significa diminuir a distância que existe entre as áreas mais direcionadas a operações de produção – chão de fábrica, operação de data centers, operação de indústrias com a cadeia de produção complexas, como a indústria de petróleo, deixando esta área operacional mais próxima a de negócios e a T.I., o que resulta em informações mais complexas, porém, mais ricas em conteúdo para tomada de decisões estratégicas de um determinado setor ou empresa.

Um exemplo que costumo citar é o da empresa OSI Soft , que possui uma excelente solução de Tecnologia Operacional que é capaz de efetuar desde uma coleta de dados de um equipamento de chão de fábrica – como uma bomba, por exemplo -, criar o histórico desta coleta, informar o estado deste equipamento e também gerar relatórios baseados nas informações deste dterminado equipamento. O interessante deste fluxo é que os resultados podem ser apresentados em uma plataforma de colaboração como o Microsoft Sharepoint, o que proporciona que estas informações possam ser disponibilizadas de acordo com qualquer necessidade do negócio. Podemos ter uma página que mostre um painel online do estado de um equipamento, também podemos publicar informações históricas para que engenheiros analisem e discutam resultados, além de podermos utilizar um Blog do SharePoint de uma determinada área – podemos pensar na área de Qualidade – para que esta avalie e discuta com áreas técnicas resultados insatisfatórios em relação a segurança dos trabalhadores baseados em um defeito em um equipamento que cause risco de vida.

Meu objetivo neste artigo é criar uma linha de pensamento e discussão, onde as empresas consigam enxergar a colaboração e a computação social como uma ferramenta que agrega muito valor na tomada de decisões, além de manter a base de conhecimento que muitas vezes é perdida e gera retrabalho. 

Lembre-se que o SharePoint é uma plataforma onde você pode desenvolver suas próprias aplicações, integrá-las com outras aplicações através de padrões do mercado – a OSI Soft tem interfaces para este fim – e que possui um recurso essencial que é a busca de informações históricas.

Quero ressaltar como em todos meus artigos, que minha opinião é realmente pessoal, e que não tenho nenhum tipo de patrocínio ou interesse de vender algum produto aqui. Neste caso estou citando a OSI Soft porque é uma empresa que tem uma solução que conheço e que realmente acredito ser interessante. (No final do artigo, publiquei um exemplo de arquitetura publicado no site da OSI Soft)

Um grande abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Gerenciamento de Redes Sociais com SharePoint

Conheça as possibilidades de gerenciamento de redes sociais utilizando o Microsoft Office SharePoint Server 2007. Acesse o White Paper a seguir no site da Microsoft.
http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc262436(office.12).aspx

Um abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Microsoft anuncia o Spindex: Seu “agregador” de redes sociais

Fonte: Computerworld USA
Microsoft adds Spindex to control social networking flood
Posted using ShareThis

O grupo de pesquisa da Microsoft FUSE Labs anunciou seu mais novo projeto – o agregador de redes sociais Spindex – durante a Web 2.0 Expo, evento realizado em São Francisco, nos EUA. No momento, o novo serviço que permite agregar dados e facilitar a publicação de informações em várias redes sociais está disponível para poucos, em versão beta fechada.

O Spindex promete agregar dados que não são normalmente encontrados em serviços similares como Seesmic ou TweetDeck, de acordo com a “Cnet”. Além de Facebook e Twitter, o novo serviço da Microsoft permite conectar e agrupar informações de ferramentas como RSS, o sistema de favoritos Evernote e até do buscador Bing, da própria Microsoft.

“Nós temos pensado por muito tempo sobre como podemos fazer o seu index pessoal”, disse a gerente geral do FUSE Labs, Lili Cheng, durante a apresentação do Spindex, ainda de acordo com a “Cnet”.

Para ter acesso ao Spindex, o usuário precisa ter um Windows Live ID.

Acesse o site oficial: http://fuse.microsoft.com/projects-spindex.html

Um abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves