Gerenciamento de Cloud Computing

Como em qualquer outra atividade, a gestão de recursos da TI é essencial, porém, com o avanço da TI e a adoção de modelos baseados em computação em nuvem, este tema torna-se muito mais crítico e importante na obtenção dos resultados desejados.

Devido a este modelo (Cloud Computing) entregar muito mais confiabilidade, disponibilidade, agilidade e flexibilidade – é o que todos desejam, certo?! –; a atenção ao gerenciamento deste padrão de ambiente necessita muito estudo e gerenciamento no dia-a-dia de sua operação. Isto vale tanto para quem contrata ou comercializa algo como SaaS, IaaS, PaaS ou para quem utiliza Private / Hybrid Cloud.

Para ficar bem fácil de compreender, pensemos primeiramente num caso em que uma empresa utiliza correio eletrônico no modelo SaaS (Software as a Service). Todos nós concordamos que ficar sem email por minutos (ou segundos), pode custar caro, principalmente para áreas como centrais de atendimento, comercial e assim por diante. Portanto, quando pensamos no gerenciamento, devemos tomar cuidados especiais, como por exemplo, o tipo de contrato que está sendo contemplado com o fornecedor de serviços, pois, se você necessita de 99,999% de disponibilidade e assina um SLA de 95,9% dificilmente atingirá seu objetivo de disponibilidade, pois, a maior parte das empresas – ou todas elas – baseiam seus preços de SaaS nesta questão – a disponibilidade. Quando você analisar o Custo x Benefício de alguma solução deste tipo, o SLA substituiu exatamente o termo Benefício. (Custo X Benefício = Custo x SLA).  Quer ter melhor beneficio ou ter um SLA mais agressivo? Terá que desembolsar mais (Isto já aplicado nos modelos tradicionais, como Outsourcing).

Podemos considerar importantes, neste exemplo, outros fatores, como as funcionalidades que o produto disponibiliza, pois, sua empresa pode necessitar também de soluções de colaboração, mensagem instantânea ou ainda funcionalidades de CRM que podem ser agregadas a este produto de correio eletrônico, e que, se forem adquiridas separadamente podem custar mais ou ainda não se integrarem. Além disso, não podemos esquecer NUNCA de pensarmos num parceiro de verdade e não simplesmente em um fornecedor, pois, a entrega do serviço dependerá totalmente dele e nos momentos de crise ele deverá ser seu Parceiro e não apenas o Fornecedor de SaaS (este é um fator bem crítico no dia-a-dia de quem utiliza Cloud Computing).

Também podemos adotar Cloud Computing internamente, que conhecemos como Private Cloud, e neste caso, necessitamos de modelos mais robustos de gestão, o que inclui, além do que citei nos parágrafos anteriores, soluções integradas de gerenciamento de seu ambiente de computação em nuvem.  (Vou dedicar meu próximo artigo a este tópico para não estender demais este aqui. Já está longo demais… :-D)

Finalizando a ideia, podemos perceber que, apenas num único e simples exemplo – do correio eletrônico -, vários tipos ou domínios de gerenciamento são necessários para obtenção de bons resultados. A seguir, cito alguns: Gestão de contratos, gestão de riscos, gestão financeira, gestão de ativos, gestão de fornecedores, gestão de crise entre outros.

Mas tenha calma, não se desespere, pois, tudo que foi citado é perfeitamente viável de ser colocado em prática, principalmente adotando metodologias e conhecimento para apoiar a gestão de seu dia-a-dia.

Todos já ouvimos falar de ITIL, TOGAF, COBIT, PM e outras siglas e letrinhas que fornecem excelentes conhecimento,  métodos e maneiras de superar tais desafios… Não ouvimos?! Tem muita coisa boa para se colocar em prática e apoiar o avanço da adoção da tecnologia que você necessita. Também existem vários frameworks direcionados a gestão de Cloud Computing pipocando… Então, siga em frente!

Um grande abraço!
Antonio Ricardo Gonçalves

O que é SaaS, IaaS e PaaS em Cloud Computing? (Conceitos básicos)

Hoje vou tratar objetivamente e com abordagem simples a respeito destas três siglas relacionadas a Computação em Nuvem (Cloud Computing em inglês), que, apesar de não se tratarem de algo tão novo assim, causam dúvidas em quem não tem muito contato com conceitos de tecnologia da informação.

SaaS – Software as a Service (Software como Serviço):
É um modelo onde a aquisição e/ou utilização de um software não está relacionado a compra de licenças, ou seja, você utiliza algum software e paga por sua utilização. Como exemplo, para fácil compreensão, cito o Skype da Microsoft. O Skype é um software de comunicação que permite vários tipos de utilização, que pode ser a simples troca de mensagens até uma videoconferência em grupo. Para utilizar o Skype você não paga nenhum tipo de licença, e é tarifado (ou cobrado) de acordo com os serviços que utiliza. Por exemplo, se você utiliza apenas o recurso de videoconferência em grupo, pode contratar apenas este recurso, porém, é possível combinar vários recursos oferecidos adaptáveis a sua necessidade. É um modelo flexível, que lhe permite controlar o que você necessita, pagando apenas pelo que utiliza em determinado período ou situação pontual. Resumidamente, você paga o serviço e não o produto. (Pesquise também o Lync Server e o Webex)

IaaS – Infrastructure as a Service (Infraestrutura como Serviço):
De maneira análoga a anterior, neste modelo você contrata sua infraestrutura como serviço, com uma vantagem muito interessante ao modelo tradicional, que é a contratação de servidores virtuais (e outros dispositivos de infraestrutura) ao invés de comprar servidores, roteadores, racks e outras “caixas” de hardware. Aqui você é tarifado por alguns fatores, como o número de servidores virtuais, quantidade de dados trafegados, dados armazenados e outros itens, dependendo de como e com quem (fornecedor IaaS) você trabalha. Neste caso, creio que Amazon EC2 e a IBM sejam bons exemplos para quem queira pesquisar mais sobre o assunto. No IaaS, obviamente também é utilizado o modelo pay-per-use, onde a cobrança é baseada no serviço e não em produto, ou seja, se você precisa de 10 servidores para o próximo mês, você contrata a utilização destes servidores por este período determinado e depois, simplesmente cancela a utilização, exatamente como a compra de um serviço de TV a cabo ou um plano de serviço de dados para seu celular.

PaaS – Platform as a Service (Plataforma como Serviço):
Aqui temos um modelo que fica entre o SaaS e IaaS, proporcionando uma plataforma mais robusta e flexível para a utilização de muitos recursos de tecnologia, onde é possível a utilização de softwares de maneira mais flexível, sendo possível desenvolver suas próprias aplicações baseadas em alguma tecnologia (framework, linguagem etc.) e utilizar a infraestrutura necessária, e o mais importante, adequada a aplicação desenvolvida. Pense em uma solução onde você necessite de um software, porém, por alguma limitação de um fornecedor do modelo SaaS, você não conseguirá implementar um determinado recurso personalizado que é fundamental para seu negócio. É aqui que o modelo PaaS é interessante, pois, você pode utilizar a mesma estrutura que você teria “em casa”, porém, utilizando o modelo “as a service”, livrando-se da aquisição de hardware, licenças de software etc. e utilizando esta mesma estrutura como serviço. Para entender este modelo é muito interessante pesquisar sobre o Microsoft Azure. Aliás, o Azure é bem flexível e lhe permite utilizar, além do PaaS, também os modelos SaaS e IaaS.

De uma maneira bem simplista, podemos dizer que os modelos SaaS, IaaS e Paas em Cloud Computing são substitutos para a infraestrutura tradicional com o diferencial do modelo de comercialização, que, ao invés de licenciamento, utiliza um modelo baseado em pagamento por utilização de recursos.

Espero ter contribuído para facilitar o entendimento. E, em caso de dúvidas, mantenha contato.

Sempre lembre-se que qualquer tecnologia deve ser utilizada para apoiar o negócio, então, antes de decidir, analise se é o momento certo para utilizar ou não alguma solução. Também considere sempre a possibilidade de evolução em ondas, ou seja, comece utilizando moderadamente as tecnologias que você não se sente seguro e vá aprendendo e evoluindo. Só não deixe de inovar no apoio aos negócios, senão você ficará para trás e terá que dar um salto bem grande para atualizar sua tecnologia, o que pode causar prejuízo na continuidade dos negócios de sua empresa.

Caso queira saber mais sobre o tema Cloud Computing, acesse este outro post, onde a abordagem é apenas Computação em Nuvem: https://antonioricardo.org/2013/09/18/cloud-computing/

Grande abraço!
Antonio Ricardo

Colaboração nas empresas: Está sobrando infraestrutura!

Como um entusiasta e observador da Tecnologia da Informação, percebo que estamos em um período muito interessante para fazer nossas ideias avançarem em relação a soluções de TI, principalmente, em um setor que, aqui no Brasil, sofre pela falta de oferta de boas soluções.  Estou me referindo às comunicações, pois, apesar de cada vez mais a oferta de hardware fazer parte do dia-a-dia corporativo – como smartphones, tablets, ultrabooks e muito mais “brinquedinhos” – a oferta de serviços ainda é muito escassa, ou seja, tem muita gente que está “armado até os dentes” com hardware de última geração, mas com pouco ou quase nenhum conteúdo interessante quando pensamos em soluções de colaboração / comunicação para empresas.

No meu ponto de vista, unir forças dentro dos grandes “players” da tecnologia da informação é fundamental, pois, o que percebo no cotidiano é que muitas empresas – que consomem serviços e produtos de TIC – tem soluções de comunicação e colaboração desconexas, ou seja, muitas vezes, a empresa (cliente) já possui um base instalada com algum tipo de tecnologia ou solução que pode servir de ponto de apoio para a implementação de uma excelente ferramenta de colaboração, porém, por falta de ofertas claras por parte destes grandes “players”, tal empresa/cliente tropeça na implantação de soluções colaborativas – que podem unir desde o compartilhamento simples de arquivos, correio eletrônico até soluções mais robustas envolvendo comunicações unificadas com áudio e vídeo conferência – por não entender que sua infraestrutura atual pode servir de base para implementar ótimas soluções, investindo menos e obtendo resultados muito bons.

Resumindo e sendo bem objetivo: Muitas empresas têm lindos equipamentos em seus datacenters e em seus escritórios, servindo apenas de complemento a sua decoração, pois, estão sendo subutilizados.

Hoje quero deixar uma pergunta simples para você – que paga a conta das ligações telefônicas no final do mês, de todos os escritórios e/ou filiais da empresa – pensar: É necessário ter um aparelho telefônico e um ramal convencional em cada um dos postos de trabalho de seus colaboradores? Pense nisso… E pesquise!

Grande abraço e grandes ideias!!!
Antonio Ricardo Goncalves

SharePoint 2010: BCS – Business Connectivity Services

Hoje decidi abordar algo bem específico no SharePoint 2010, que é o BCS – Business Connectivity Services, pois, tenho percebido que muita gente ainda acredita que o SharePoint é uma solução que tem pouca integração, ou ainda, muitos mantém a ideia que o SharePoint 2010 fica apenas no mundo da colaboração. Vamos lá…

Cada vez mais as empresas estão adotando modelos complexos de soluções tecnológicas (seja Tecnologia da Informação, Tecnologia Operacional entre outras), criando ambientes híbridos, ou seja, múltiplas soluções de diferentes fornecedores e em diferentes plataformas.

Considerando este cenário híbrido em relação aos seus ambientes, existe um ponto crítico a ser avaliado e muito bem desenvolvido, que é a INTEGRAÇÃO destes sistemas e de seus respectivos dados e/ou informações e é justamente neste ponto (a integração) que entra em ação o BCS – Business Connectivity Services no SharePoint 2010.

Mas o que é o BCS?(Até agora não falei… :-S)
BCS – Business Connectivity Services é (resumidamente) um conjunto de soluções, que fazem parte do SharePoint 2010, que facilitam a integração de dados entre o SharePoint e as demais soluções que você já possui. Com o BCS um desenvolvedor de sistemas – que tenha conhecimento em .NET e SharePoint, por exemplo – é capaz de fazer integrações (troca de dados bidirecional) com SAP, Soluções e Bancos de Dados Oracle e vários outros sistemas disponíveis no mercado. No meu ponto de vista, o BCS é uma forma de expandir suas soluções de forma infinita, integrando recursos de colaboração, computação social, business intelligence entre outros recursos em qualquer sistema que você já possua ou deseja utilizar.
(Lembrando que esta minha abordagem é do ponto de vista da arquitetura e não estou entrando em nenhum detalhe técnico, pois, meu foco aqui neste blog é sempre produzir textos que possam ser entendidos por todos os públicos.)

Caso você tenha interesse em conhecer detalhes técnicos do BCS, existem publicações específicas (livros técnicos) e também muitos recursos na Internet, como o MSDN, as Comunidades Técnicas Microsoft entre outras fontes de aprendizagem.

Baixe o Poster do BCS no site de Downloads da Microsoft em http://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=2847

Abaixo, um exemplo da arquitetura do BCS. 

O que é o LinkedIn? A CIO americana te ajuda a entender!

Se você tem algum tipo de dúvida sobre o LinkedIn, seja ela básica ou complexa, a CIO Magazine irá lhe auxiliar…

A versão americana da revista CIO possui um conjunto de publicações a respeito do LinkedIn que vão esclarecer suas dúvidas definitivamente.

Leia a matéria em http://www.cio.com/article/495098/LinkedIn_Bible_Everything_You_Need_to_Know_About_the_Social_Network_for_Professionals

Caso tenha dúvidas ou queira discutir o assunto, envie um comentário neste post.

Um abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

CIO Magazine: 4 etapas para a gestão de redes sociais nas empresas

Levantamento indica que ambientes colaborativos são utilizados de forma produtiva pelos funcionários contanto que sejam bem gerenciados.

A simples menção ao termo rede social assusta a maior parte dos CIOs. Eles atrelam o tema à possibilidade de divulgação indevida dos dados, problemas de privacidade e queda de produtividade das equipes. A questão é que não há mais como negar a existência desses ambientes colaborativos nas empresas e eles podem trazer ganhos para as organizações.

Ao contrário do que alguns departamentos de TI defendem, boa parte dos funcionários tem usado, sim, as redes sociais de forma positiva, segundo recente estudo da consultoria Forrester Research. No relatório, as três razões mais citadas para que as pessoas acessem esses ambientes são: manter-se atualizado com as notícias, procurar ideias que ajudem no trabalho e colher informações também relacionadas às necessidades profissionais.

Diante dessa constatação de que as rede sociais podem representar algo positivo, a Forrester aconselha os CIOs a posicionar a TI como líder da estratégia de como a corporação deve lidar com esses ambientes. “Existe uma percepção de que ‘social’ é algo de marketing e a TI não deveria se envolver”, analisa a vice-presidente e principal analista da consultoria, Nigel Fenwick. Ele defende que, na realidade os dois departamentos (tecnologia e marketing) precisam trabalhar em conjunto para obter sucesso.

Sobre a participação do CIO no processo, a Forrester afirma que ele deveria servir como um orientador e um facilitador para  os profissionais. Mas para serem bem-sucedidos nesse caminho precisam seguir quatro passos:

1.    Entender as pessoas para engajá-las. Os gestores de TI precisam analisar como os profissionais agem nas redes sociais. De forma geral, a Forrester aponta para a existência de três perfis de usuários: os espectadores (que mantêm blogs ou acessam páginas para baixar vídeos ou áudios), participantes (que têm perfis nas redes sociais), críticos (que reagem a conteúdos online, com comentários e análises) e ‘conversadores’ (pessoas usuárias do microblog Twitter).

2.    Defina os objetivos. A consultoria cita que se multiplicam os casos de empresas que conseguem ter sucesso em ações nas redes sociais, graças à capacidade de atingir muitas pessoas ao mesmo tempo. Mas para ter sucesso, as iniciativas nesses ambientes precisam  estar ligadas à inovação, como criar um vídeo para encorajar os profissionais; à colaboração, com projetos nos quais as pessoas podem trocar ideias, opiniões e compartilhar documentos; à suporte, com comunidades nas quais os funcionários podem colocar perguntas e respostas; ao aprendizado, para compartilhar conhecimentos; ou ao armazenamento, transformando as redes sociais em um repositório de informações.

3.    Desenvolvimento e implementação. A partir do objetivo de negócio e da determinação de como atingi-lo, a estratégia para as redes sociais deveria se voltar para a questão de como isso pode mudar o relacionamento das pessoas nesses ecossistemas. Em outras palavras, a Forrester afirma que a preocupação precisa ser com a reação dos usuários e não com a tecnologia.

Para isso, o CIO precisa responder a algumas questões: como a iniciativa será comunicada para os profissionais? Qual será o apoio para os membros se encontrarem e ficarem conectados? Como estimular as pessoas a contribuir? De que forma os profissionais serão autorizados a criar conteúdos e colaborar entre si?

Também nessa etapa devem ser consideradas as formas de mensurar o sucesso das iniciativas, seja a partir do aumento da produtividade, conquista de novos clientes ou da redução de custos, por exemplo.

4.    Selecionar as tecnologias apropriadas. Além de descobrir as plataformas mais adequadas, nessa etapa o CIO precisa também estar preocupado em implementar políticas de acesso às redes sociais, com normas sobre quais profissionais estão autorizados a entrar nesses ambientes e qual a postura aceitável.

Fonte: CIO Magazine
Matéria original: http://www.cio.com/article/589166/Four_Steps_to_Success_for_Enterprise_Social_Media

Um Abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Palestra discutirá os principais erros cometidos nas redes sociais

Hoje acontecerá a palestra “Os 7 Pecados Capitais das Redes Sociais” em SP. Aos que tenham interesse, segue mais informações.

 O diretor de vendas e negócios da Accenture e professor da BSP, Mario Faria, ministra a palestra “Os 7 Pecados Capitais das Redes Sociais” na  Business School São Paulo às 19h30, na capital paulista.

Detalhes
Palestra “Os 7 Pecados Capitais das Redes Sociais”
24 de fevereiro / 19h30
Rua Jaceru, 247 – 8º andar (Região da Berrini)
Inscrições gratuitas

Nos vemos lá!!!

Um abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves