Exemplo de SaaS

SaaS

Para não ficar apenas nos conceitos e nas explicações teóricas, decidi publicar este artigo com um exemplo simples e didático de SaaS ou Software as a Service.

Tenho o (estranho) hábito de pesquisar soluções no modelo “as a Service” para situações que enfrento no meu dia-a-dia. Como nesta semana tive uma experiência desagradável com um agendamento para exames de rotina, então saí pela Internet pesquisando e analisando o que havia.

Após algumas horas e várias leituras, análises, testes etc; encontrei na AWS (Amazon Web Services) o software tuOtempO, e por tratar-se de um software muito simples conceitualmente, mas com aplicação muito eficiente para o dia-a-dia, decidi utilizá-lo como exemplo para quem deseja visualizar na prática os conceitos de SaaS que repetidamente menciono neste blog.

Recapitulando o conceito de SaaS – Software as a Service:
SaaS – Software as a Service (Software como Serviço) é basicamente um modelo onde a aquisição e/ou utilização de um software não está relacionado a compra de licenças, ou seja, você utiliza algum software e paga por sua utilização. Este software é baseado em um ambiente computacional no modelo de Cloud Computing, e – na minha visão – deve disponibilizar acesso multiplataforma, ou em outras palavras, quem está utilizando deve possuir meios de acessá-lo através de diferentes aparelhos (celulares, tablets, desktops, notebooks) com diferentes tipos de clientes (browser/navegador) sem a necessidade de instalação de nenhum tipo de software adicional.

O que é o tuOtempO?
O tuOtempO é um conjunto de softwares no modelo SaaS, que podem trabalhar de forma independente ou integrada entre seus módulos e também integrando-se a software legado em caso de necessidade. Alguns módulos são: Serviço de Agendamento, Comunicação Interativa com Pacientes, Resultados de Exames entre outros. Para maiores detalhes, consulte o site do fornecedor.

Como utilizar o modelo SaaS no dia-a-dia (a prática):

Se a clínica, que atualmente utiliza um software ultrapassado (uma mescla um sistema baseado em Access / MS Office, Visual Basic e algumas planilhas) e que aparentemente não atende as expectativas, decidisse adotar uma nova solução, seria muito interessante do ponto de vista ‘custo x benefício’, passar a utilizar algo no modelo SaaS, pois a solução que menciono como exemplo – tuOtempO – e que é 100% SaaS, atenderia facilmente uma das necessidades do negócio – o agendamento de consultas, sendo possível passar a utilizá-la imediatamente através da assinatura mensal que possui custo baixo e sem a necessidade de nenhum tipo de intermediário, aquisição de hardware, software etc.

Com a transição do modelo atual para o SaaS, a clínica teria muitos benefícios, como a facilidade de gestão dos recursos de TI, pois, atualmente se o servidor onde o software está instalado ou uma das estações onde a atendente faz os agendamentos apresenta alguma falha, há indisponibilidade total ou parcial por conta do modelo ser ultrapassado e não oferecer alternativas para o caso de falhas. Já na situação onde o SaaS é utilizado, a interrupção dos serviços é praticamente nula, pois, é possível acessar o software de qualquer dispositivo e em qualquer local. Mesmo que haja uma queda na infraestrutura da clínica, é possível acessar o sistema de agendamentos por um smartphone ou tablet com acesso a Internet e continuar a atividade normalmente. Como estamos mencionando SaaS/Cloud Computing, o nível de confiabilidade e disponibilidade esperado é sempre alto.   Concluindo a ideia, é sempre fundamental analisar  qual o tipo e o tamanho do negócio para saber quando é interessante um ou outro modelo, mas de forma simplista, para situações mais simples você terá benefícios utilizando SaaS e para situações onde há necessidade de software com maior nível de parametrização (‘customização’) devido a regras do negócio, outros modelos como IaaS ou PaaS, e mesmo a computação em seu modelo tradicional, provavelmente serão mais interessantes.

Obs. Este artigo não é patrocinado. Apenas utilizei o exemplo da tuOtempO porque considero uma solução simples e de fácil entendimento para fins didáticos e o AWS por tratar-se de um fornecedor conhecido.

Um grande abraço!
Antonio Ricardo

O que é DTaaS – Desktop as a Service (Desktop como um serviço)

DaaS

Com o objetivo de complementar a publicação anterior, a seguir, explico o que é DTaaS e como podemos utilizar este conceito em nosso dia-a-dia.Como o nome sugere, DTaaS (Desktop as a service) é mais um modelo de utilização de recursos de Tecnologia da Informação, onde é possível substituir o modelo tradicional de aquisição de produtos, pela contratação de serviços, ou seja, ao invés de você adquirir um desktop (hardware) e softwares (sistema operacional, softwares de proteção, softwares de produtividade etc.), você contrata um provedor de serviços que irá fornecer tal infraestrutura, através de um modelo pré-determinado (normalmente baseado em Cloud Computing / Virtualização) cobrando uma assinatura mensal.

O conceito de DTaaS está diretamente associado a recursos de Virtualização de Desktops e Cloud Computing (Também chamado de Virtual Desktop as a Service). No segundo caso, podemos expandir o modelo de Cloud Computing em modelos tradicionais, em Private Cloud (Nuvem Privada) e também na mescla de ambos, chamados de modelos híbridos.

De forma simplista – e para facilitar o entendimento – podemos fazer um paralelo entre DTaaS e SaaS (Software as a Service) onde no modelo DTaaS, além do software (descrito no SaaS), adquirimos também o hardware como um serviço, pagando pela utilização ao invés de comprar o alugar. Isto significa que o provedor deste serviço fica responsável por toda a infraestrutura, entregando todos os recursos de hardware e software dentro de um “pacote de serviços”.

E como funciona a estrutura de virtual desktop as a service na prática?
Esta solução é formada por Servidores (onde são criadas estruturas para fornecimento destes desktops virtuais, através da utilização de produtos fornecidos por empresas como Citrix, Dell, VMware entre outras), elementos de rede como roteadores e switches e por clientes ou Thin Clients (Estes responsáveis por acessar os recursos armazenados nos servidores e disponibilizá-los para os usuários da solução).
Um ponto muito positivo e importante neste modelo é seu gerenciamento facilitado pela arquitetura das soluções que proporciona maior segurança e agilidade na administração.
Como ponto negativo ou crítico cito a necessidade de atenção com sua característica de alta disponibilidade, pois, se algo falhar por falta de redundância de recursos ou falha na especificação da capacidade de carga, pode haver indisponibilidade para muitos usuários ao simultaneamente.

Como sempre menciono em meus artigos, adotar uma solução de TI em um ambiente corporativo é uma questão delicada, e deve estar sempre direcionada ao apoio direto ao negócio.  O DTaaS é apenas mais um modelo dentre muitos e seu sucesso depende primeiramente da necessidade de sua utilização, combinando-se a isto um ótimo projeto de viabilização, implantação e adoção do modelo.

Um abraço,
Antonio Ricardo