Cloud Computing: Como funciona um Datacenter da Microsoft (Vídeo)

A maioria dos profissionais de tecnologia – e de outras áreas também – estão acostumados ao Termo Cloud Computing (Computação em Nuvem). Mas será que a maioria sabe o que é um datacenter preparado para este modelo?

Venho abordando o tema de vários pontos de vista, com conceitos técnicos – os modelos SaaS / PaaS / IaaS -, soluções de mercado e como Cloud Computing pode solucionar problemas relacionados ao negócio. No entanto, muitos não tem ideia do tamanho e da capacidade de um datacenter que atende a este modelo de Computação em Nuvem.

Pesquisando conteúdo, encontrei um vídeo publicado pela Microsoft no Youtube, onde é possível dar um passeio por dentro de um datacenter da Microsoft. Então decidi compartilhar, pois, nada melhor do que visualizar o que acontece por trás de todos estes conceitos, siglas, soluções que abordo neste blog.

Espero que gostem!
Caso haja alguma dúvida, por favor, escrevam. E se por algum motivo o vídeo apresentar algum problema, por favor, alguém informe.

Um abraço!
Antonio Ricardo

Anúncios

SharePoint 2010: BCS – Business Connectivity Services

Hoje decidi abordar algo bem específico no SharePoint 2010, que é o BCS – Business Connectivity Services, pois, tenho percebido que muita gente ainda acredita que o SharePoint é uma solução que tem pouca integração, ou ainda, muitos mantém a ideia que o SharePoint 2010 fica apenas no mundo da colaboração. Vamos lá…

Cada vez mais as empresas estão adotando modelos complexos de soluções tecnológicas (seja Tecnologia da Informação, Tecnologia Operacional entre outras), criando ambientes híbridos, ou seja, múltiplas soluções de diferentes fornecedores e em diferentes plataformas.

Considerando este cenário híbrido em relação aos seus ambientes, existe um ponto crítico a ser avaliado e muito bem desenvolvido, que é a INTEGRAÇÃO destes sistemas e de seus respectivos dados e/ou informações e é justamente neste ponto (a integração) que entra em ação o BCS – Business Connectivity Services no SharePoint 2010.

Mas o que é o BCS?(Até agora não falei… :-S)
BCS – Business Connectivity Services é (resumidamente) um conjunto de soluções, que fazem parte do SharePoint 2010, que facilitam a integração de dados entre o SharePoint e as demais soluções que você já possui. Com o BCS um desenvolvedor de sistemas – que tenha conhecimento em .NET e SharePoint, por exemplo – é capaz de fazer integrações (troca de dados bidirecional) com SAP, Soluções e Bancos de Dados Oracle e vários outros sistemas disponíveis no mercado. No meu ponto de vista, o BCS é uma forma de expandir suas soluções de forma infinita, integrando recursos de colaboração, computação social, business intelligence entre outros recursos em qualquer sistema que você já possua ou deseja utilizar.
(Lembrando que esta minha abordagem é do ponto de vista da arquitetura e não estou entrando em nenhum detalhe técnico, pois, meu foco aqui neste blog é sempre produzir textos que possam ser entendidos por todos os públicos.)

Caso você tenha interesse em conhecer detalhes técnicos do BCS, existem publicações específicas (livros técnicos) e também muitos recursos na Internet, como o MSDN, as Comunidades Técnicas Microsoft entre outras fontes de aprendizagem.

Baixe o Poster do BCS no site de Downloads da Microsoft em http://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=2847

Abaixo, um exemplo da arquitetura do BCS. 

Consolidando e compartilhando informações: Tome melhores decisões

Uma das grandes vantagens de possuir um ambiente online de colaboração é a capacidade de tomar decisões baseadas em informações concretas e ter a chance de discutir, publicar – em suma, colaborar – decisões com equipes geograficamente distribuídas em tempo real – quando necessário – e também possuir histórico das análises feitas para a tomada de uma decisão, mantendo sua base de conhecimento.

Esta capacidade de colaborar já tem um certo tempo de vida, pois, com os sistemas de controle de chamados técnicos, por exemplo, as empresas já vem atuando desta forma faz um bom tempo, porém, o interessante é a evolução para a integração de sistemas de Tecnologia da Operação com a Tecnologia de informação, e isto significa diminuir a distância que existe entre as áreas mais direcionadas a operações de produção – chão de fábrica, operação de data centers, operação de indústrias com a cadeia de produção complexas, como a indústria de petróleo, deixando esta área operacional mais próxima a de negócios e a T.I., o que resulta em informações mais complexas, porém, mais ricas em conteúdo para tomada de decisões estratégicas de um determinado setor ou empresa.

Um exemplo que costumo citar é o da empresa OSI Soft , que possui uma excelente solução de Tecnologia Operacional que é capaz de efetuar desde uma coleta de dados de um equipamento de chão de fábrica – como uma bomba, por exemplo -, criar o histórico desta coleta, informar o estado deste equipamento e também gerar relatórios baseados nas informações deste dterminado equipamento. O interessante deste fluxo é que os resultados podem ser apresentados em uma plataforma de colaboração como o Microsoft Sharepoint, o que proporciona que estas informações possam ser disponibilizadas de acordo com qualquer necessidade do negócio. Podemos ter uma página que mostre um painel online do estado de um equipamento, também podemos publicar informações históricas para que engenheiros analisem e discutam resultados, além de podermos utilizar um Blog do SharePoint de uma determinada área – podemos pensar na área de Qualidade – para que esta avalie e discuta com áreas técnicas resultados insatisfatórios em relação a segurança dos trabalhadores baseados em um defeito em um equipamento que cause risco de vida.

Meu objetivo neste artigo é criar uma linha de pensamento e discussão, onde as empresas consigam enxergar a colaboração e a computação social como uma ferramenta que agrega muito valor na tomada de decisões, além de manter a base de conhecimento que muitas vezes é perdida e gera retrabalho. 

Lembre-se que o SharePoint é uma plataforma onde você pode desenvolver suas próprias aplicações, integrá-las com outras aplicações através de padrões do mercado – a OSI Soft tem interfaces para este fim – e que possui um recurso essencial que é a busca de informações históricas.

Quero ressaltar como em todos meus artigos, que minha opinião é realmente pessoal, e que não tenho nenhum tipo de patrocínio ou interesse de vender algum produto aqui. Neste caso estou citando a OSI Soft porque é uma empresa que tem uma solução que conheço e que realmente acredito ser interessante. (No final do artigo, publiquei um exemplo de arquitetura publicado no site da OSI Soft)

Um grande abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves

Colaboração + Grupos de Trabalho + Projetos = Resultados

     Alguns dos maiores beneficiados com as Redes Sociais Corporativas são os responsáveis por projetos, sejam eles coordenadores, gerentes ou patrocinadores.

     A partir de sistemas web desenvolvidos para tal finalidade, tornou-se possível gerenciar projetos de maneira mais eficiente e eficaz, através de soluções que disponibilizam controle de tarefas, custos, prazos, recursos humanos entre outras dezenas de possibilidades. É possível acompanhar qualquer um dos envolvidos em projetos, independentemente de localização geográfica, função (seja o envolvido, um gestor de departamento ou um técnico de um prestador de serviços).

     Utilizando como exemplo prático o Project Server / EPM 2007 da Microsoft, a partir do momento que um colaborador passa a ser um membro de um projeto, ele irá obter acesso a uma área (grupo de trabalho) onde ele poderá compartilhar (fornecendo e recebendo) informações, controlar as suas atividades, participar de conferências / reuniões on-line entre outros recursos. Algo bem interessante é a possibilidade deste colaborador ter acesso a um conjunto de informações de outros projetos que estão ocorrendo e aqueles que já foram finalizados, pois, desta forma ele poderá reutilizar processos, documentos e também conhecimentos previamente utilizados.

Área de Trabalho do EPM 2007

A seguir segue o link para quem deseja conhecer um pouco mais a respeito do EMP 2007. Trata-se de uma demonstração da solução:
http://www.microsoft.com/project/en/us/demo-enterprise-project-management.aspx

Um Abraço,
Antonio Ricardo Gonçalves